Blog Esalqueanos

Reflexões sobre Comunicação (Fixi; F11)

17/05/2018 - Por beatriz fonseca domeniconi
338 views 0 Gostei 0 Não gostei

Tenho me interessado cada vez mais pelo tema "comunicação". Embora não tenha muitas habilidades com as redes sociais, tenho me empenhado em publicar algumas coisas sobre as observações que faço no meu dia-a-dia.

Recentemente compartilhei minha opinião sobre uma das frequentes falhas de comunicação que ocorrem em diversos veículos e que me incomodam bastante - uso de termos inadequados e conceituações impróprias.

Compartilho aqui, no blog da Escola, pois entendo que nossa "comunidade" é um dos principais grupos responsáveis pela comunicação e pela formação de opinião sobre o Agro brasileiro e a tudo que se refere à produção de alimentos - temas ainda tão pouco conhecidos pela população que a cada dia reage com mais pré-conceitos e conclusões superficiais.

Deixo, junto com o texto abaixo, um apelo para que nós, profissionais do Agro, responsáveis pelos conhecimentos que adquirimos e pelo senso crítico que fomos estimulados a desenvolver, nos empenhemos diariamente em combater a desinformação em temas de tamanha relevância como a produção de alimentos, energia e demais produtos de origem animal e vegetal que fazem parte do nosso cotidiano.

 



Pequenas substituições, grandes alterações.

 

Caros jornalistas e demais comunicadores, antes de lerem meus comentários, quero ressaltar que tenho grande admiração pelo trabalho de vocês! Mesmo! :))

Escrever não é tarefa fácil... Exige alguns exercícios para que a conexão "conteúdo-origem-destino" ocorra a contento.

Gostaria de chamar atenção para um dos exercícios corriqueiros de escrita que é a substituição de palavras e termos sinônimos, com o objetivo de evitar repetições. Algumas vezes, essas substituições, por mais sutis que pareçam ser, modificam completamente o sentido do texto! 
Aos "destinos" relativamente treinados para receber a informação, causa estranheza.
Àqueles não tão treinados ou mesmo leigos no assunto do qual a informação trata, gera confusão e contribui com a consolidação de conceitos equivocados.

Como exemplo dessa situação, aproveito uma notícia de hoje, do Ministério da Agricultura. Ao ler o título "Novo RIISPOA concentrou-se na segurança alimentar, diz secretário Luís Rangel", duas possibilidades me causaram estranheza: 

1. RIISPOA é uma ferramenta de regulação sanitária... Não está relacionada (diretamente) à segurança alimentar;
2. O secretário Luís Rangel não teria confundido "segurança alimentar" com "segurança do alimento"!
Pois é, ele não se confundiu! Ao abrir a notícia, li a fala do secretário entre as devidas aspas e nela estava o termo "segurança do alimento". 
A confusão ocorreu durante o exercício de substituição de palavras e termos supostamente sinônimos, mas que, embora semelhantes, carregam conceito bastante distintos.
Segurança alimentar: garantia de não escassez de alimentos - garantia de acesso aos alimentos (em volume e qualidade para o consumo das populações);
Segurança do alimento: atributo sanitário - garantia de que um alimento não causará danos à saúde de quem o consumir.

Eu sou um "destino" bem menos treinado do que eu gostaria, mas acredito que essas pequenas substituições ocorram em todas as áreas de conhecimento. Na minha área de atuação - Pecuária - algumas das substituições mais frequentes e que causam mudanças de contexto são:

- produtor // criador (criador é o produtor que atua na etapa de cria. Todo criador é produtor, mas o contrário, não necessariamente é verdadeiro);
- produção extensiva // produção em pastagens (o termo "extensivo" não se aplica a todos os sistemas de produção em pastagens. Inclusive, a pecuária tem avançado - e muito - em produtividade baseada em sistemas mais intensivos de manejo de pastagens)
- produção // produtividade (o total que se produz versus o total que se produz por unidade de área)
- produtividade // rentabilidade (total que se produz por unidade de área versus o quanto "rende" a produção - quanto que se ganha por unidade produzida - que vai depender dos custos para se obter um determinado nível de produtividade)
- sustentabilidade // desmatamento zero (hehehhe ok... Essa última é uma "birra" pessoal! Não gosto quando se usa um termo como sinônimo do outro... Não são! Desmatamento zero pode ser um dos critérios para uma produção sustentável, mas está longe de a definir!
:)

 

Eu sou Beatriz Domeniconi (Fixi F-2011), sou Zootecnista pela UNESP de Botucatu e Engenheira Agrônoma pela Gloriosa. Atualmente coordeno o Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável - GTPS - associação que reúne representações de todos os elos da cadeia de valor da pecuária brasileira e que atua na consolidação e disseminação de informações sobre pecuária, comunicação setorial e engajamento para a adoção de boas práticas e melhoria contínua.

 


 

PUBLICIDADE
APOIADORES